segunda-feira, outubro 11, 2004

Inimputável

Ouço na RTP, Francisco Louçã, durante um comício na Madeira, aliás escassamente participado, que "não temos ministros que nos governam, mas ministros que se governam" (cito de memória, mas o sentido é este).

Se não fosse triste, era no mínimo grave. O que Louçã diz é que todos, mas mesmo todos, os ministros estão lá para se governar à conta do Estado, sendo por isso desonestos. Ou seja, são todos uma espécie de Verres, administrador romano corrupto a quem Cícero dedicou as verrinas.

Louçã, armado em Cícero moderno (mas sem o talento do original), vem acusar o governo de se governar. Claro, sem apresentar a mínima prova, coisa em que ele é useiro e vezeiro.

Para o BE e o seu insuportável líder, todos os outros não têm qualquer moralidade. Apenas eles são impolutos e acima de qualquer suspeita.

Provavelmente, num país a sério, Louçã teria que provar que todos os ministros deste governo se governavam enquanto exerciam o poder. Assim, num país destes, só posso concluir que Louçã (e também o resto do Bloco) é inimputável.