sexta-feira, novembro 11, 2005

A Intifada francesa

A propósito dos acontecimentos recentes em França, não é demais salientar o que Pacheco Pereira escreveu sobre a violência e as democracias:
Se se pensa que está consolidada nas democracias a condenação da violência como instrumento político, pensa-se mal. Desde que os movimentos radicais da extrema-esquerda e extrema-direita, que defendiam a violência "revolucionária", perderam influência e se desintegraram nos anos 80, com o fim do surto terrorista que das Brigadas Vermelhas italianas, às FP portuguesas, atravessou toda a Europa, que parecia haver um consenso político de intransigência quanto ao uso da violência nos sistemas democráticos. O caso da ETA e do IRA eram excepções que confirmavam a regra de que em democracia a violência estava de todo excluída.

Mas desenganemo-nos. Bastou surgir uma nova violência, com novos actores e novas causas, ocupando, mesmo que ilusoriamente, o local e a memória dessa violência radical do passado, para se verificar que importantes sectores políticos da nossa sociedade democrática mostram uma enorme complacência com a sua utilização como instrumento político. Nos sectores tradicionalmente da "esquerda", e numa "direita" complexada e temerosa, volta de novo a haver um caldo cultural para que a violência política surja como aceitável, como "justificada".

O mecanismo fundamental de aceitação da violência nos nossos dias é uma espécie de sociologia de pacotilha, mais herdeira do marxismo do que parece, que explica a "revolta dos jovens" (bem-aventurado eufemismo) pelas condições sociais da sua vida. É uma "explicação" que tem muito de voluntarismo político e pouco de ciência, embora, como também acontecia com o marxismo no passado, pretenda fornecer uma inevitabilidade causal. Antes, os proletários deveriam fazer a revolução violenta porque eram explorados e a sua "mais-valia" apropriada pelos capitalistas, agora os jovens revoltam-se porque não têm "esperança no futuro" e são marginalizados. Em ambos os casos há sempre uma explicação social útil, que ilude o adquirido político do pensamento democrático, dissolvendo-o nas mesmas perigosas ideias sobre a "justificação" da violência pela causalidade social.
De facto a violência havida em França não pode ter qualquer tipo de desculpa, não pode ser desculpabilizada, seja qual for os motivos que estejam por detrás dela. Mas, há muito gente que tem um tal ódio à democracia representativa que justifica tudo para por a sociedade em vivem em causa. De hipocrisia está o mundo cheio e não há causa justa que possa justificar a contínua destruição de propriedade pública e privada, de uma forma completamente aleatória e cega, que, em caso algum, poderá levar ao melhoramento das condições de vida dos revoltados (se é isso mesmo o que eles querem, coisa que pode duvidar um pouco).

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

11/11/2005 11:18:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home