domingo, maio 14, 2006

Poema do dia

Coimbra, 14 de Maio de 1981.

REMEMORAÇÃO

Sim, a vida não presta.
Mas foi bonita a festa
Da mocidade.
O corpo são, a alma sã, e todos os sentidos
Na sua virgindade
Castamente despidos.

Lembrá-lo, agora, dá não sei que paz.
Esta paz medular
De já ter sido,
E ter sido capaz
De uma hora solar
Gravada a fogo no tempo perdido.

(Miguel Torga, Diário XIII)

1 Comments:

Blogger kaiser said...

Parafraseando outro grande poeta:
"Tudo vale a pena, se a alma nao é pequena"
Gostei do blog.
www.auto-poetico.blogspot.com

6/06/2006 01:26:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home