sexta-feira, janeiro 21, 2005

Reposição da verdade

No Diário de Notícias de hoje, é reposta a verdade (destaques meus):

Seria outra a classificação se os árbitros não tivessem falhado? Em alguns casos, talvez houvesse lugar a rectificações, mas no geral não há equipa que se possa sentir "largamente prejudicada", como Dias da Cunha, primeiro, e Luís Filipe Vieira, depois, tentaram fazer crer. Aliás, falando em "grandes", e numa análise aos lances mais polémicos (penalties por marcar e golos mal anulados), o FC Porto terá mais razões de queixa. E beneficiados? Olhando para as incidências, salta à vista o Boavista, que amealhou uns pontos graças a arbitragem de má qualidade.

Os árbitros erraram, prejudicaram e beneficiaram os chamados três grandes, mas o Benfica e o Sporting berraram como bebés chorões "aqui d'El-Rei" que "agarra que é ladrão" sem terem mais razões de que outros para isso.

Enfim, saudades dos tempos da Outra Senhora, sem dúvida, que sempre que o Porto estava a ameaçar demais a liderança, lá saída um árbitro do armazém de Setúbal para repor a ordem institucional.

Não admira, por isso, que haja gente por aí a reclamar a intervenção do Estado. E ainda por cima às 8 da noite, numa imitação dos piores tiques dos dos políticos.

Post scriptum. Eu sei que há leitores meus que não gostam muito dos meus artigos sobre futebol. Mas, que querem, o futebol também faz parte da vida. Só que, certamente, não é a coisa mais importante. Aliás, o único jogo que fui ver esta época foi o Boavista-Nacional.

Também não há qualquer recalcamento em relação a Lisboa ou algum síndroma de provincianismo - aliás, os que, quando de fala de Porto, Benfica e Sporting, acusam os portistas de provincianismo deveriam definir em que consiste esse provincianismo. Por mim, a melhor definição de provincianismo ainda é a de Fernando Pessoa e essa aplica-se a muita gente independentemente do sítio onde vive.

2 Comments:

Blogger LA said...

Como "cromo da bola" que moderadamente sou, uma das coisas que mais desgosta é ter de explicar aos não setubalinos, que os árbitros são da Associação de Futebol de Setúbal (como de resto sei que foi o que pretendeu dizer). Não são necessariamente da cidade. Julgo mesmo que nenhum o será.
Setúbal já tem muitas más famas. Desta nunca se aproveitou.

1/21/2005 07:07:00 da tarde  
Blogger António Viriato said...

Quando até um homem, normalmente tão lúcido e perspicaz, como Miguel Sousa Tavares, consegue ficar obnubilado do espírito, quando discute temas de futebol, em que seja parte interessada o seu FCP, bem podemos avaliar o carácter pernicioso da matéria. No caso do FCP, devido às constantes promiscuidades e trocas de favores entre a Política e o Futebol, sobretudo nos reinados socialistas de Guterres e de F.Gomes, a tramóia atingiu foros de escândalo, a pedir a intervenção da Polícia, como finalmente começou a acontecer. Esperemos que surjam resultados. Entretanto, a César o que é de César... e nada de usar o FCP contra Lisboa, para pôr Lisboa a arder, como costuma gritar uma turbamulta encervejada, que espuma em directo, ante as câmaras de televisão, para gáudio de acéfalos e outros desmiolados,que, valha a verdade, também abundam ali pelas bandas da 2ª circular...

1/23/2005 02:42:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home