sábado, abril 15, 2006

Polémicas literárias e tradução...

O Da Literatura é um blog que leio com regularidade, embora, confesso, desconheça quase por completo a produção literária do Eduardo Pitta ou do Jorge Melícias, por exemplo. A razão é simples, normalmente interesso-me mais por produções literárias do passado do que aquilo que se faz contemporaneamente.Quanto ao blog, é um dos mais interessantes que conheço.

Ontem, Jorge Melícias colocou um artigo de resposta a um comentário que o José Mário Silva fez no suplemento 6.ª do Diário de Notícias à tradução de Melícias dos "Conselhos aos Jovens Literatos" de Baudelaire.

E o que dizia JMS (destaques meus)?
Ao recuperar estes Conselhos…, o poeta Jorge Melícias não se limitou a traduzir com pouco esmero – e alguns erros de palmatória – um texto menor e quase juvenil de Baudelaire (publicado em 1846, quando o autor de As Flores do Mal andava pelos 25 anos). Ao desmascarar o “escritor maldito” que se revela um “burguês usurário e sem escrúpulos, alguém que confunde literatura com licitação, poesia com juros”, Melícias pretende apenas atingir, por interposta figura tutelar, a corrente estética da poesia portuguesa contemporânea oposta à sua. Raras vezes li ataque tão insidioso, tão desonesto e tão cobarde.
Como se pode depreender da minha introdução, não faço ideia a que escola pertencerá o poeta Jorge Melícias, nem qual será a escola de poesia portuguesa contemporânea oposta. Por isso, esse aspecto não ime interessa muito. Prefiro antes destacar a questão da acusação de tradução pouco cuidada e com erros de palmatória.

Jorge Melícias, no texto mencionado, já deu a sua resposta. O que me leva a escrever agora é apenas o de, por uma vez mais notar, que se fazem críticas à tradução com acusações genéricas, rotula-se a tradução e passa-se à frente.

Como tradutor profissional sou sensível a críticas às traduções. Embora profissionalmente não pratique a tradução literária, a questão da avaliação de uma tradução é substancialmente a mesma, quer se trate de tradução literária ou outra qualquer. E a minha questão é: quais foram os critérios que JMS utilizou para dizer que a tradução é descuidada e tem erros de palmatória? É que gostava sinceramente de saber que critérios utilizou. O simples apontar aqui e ali de erros ou supostos erros não pode ser um critério de avaliação de uma tradução. O quadro de avaliação de uma tradução tem que ser muito maior do que esse.

Thomas Hüsgen no seu texto "Coerência textual e tradução", in Da Língua e do Discurso, afirma:
[...] a tradução representa um caso específico de comunicação textual, visto que o tradutor, como intermediárion entre línguas e culturas, acaba por transmitir uma interpretação sua ao público leitor de chegada [...]. A comunicação entre texto de partida e leitor da língua de chegada passa, por assim dizer, através do filtro da compreensão específica do próprio tradutor.

Este trabalho exige do tradutor uma capacidade mental específica que lhe permita, por um lado, estabelecer uma relação quase espontânea entre texto de partida, sua função comunicativa e social e seu conhecimento das culturas em contacto e que, por outro lado, para além disso, avaliar o tipo de informação que terá que ser acrescentada ou, pelo contrário, possa ser pressuposta.

Acaba por ser a capacidade do tradutor de apreender e transmitir o texto no seu todo e como todo, no sentido da hermenêutica moderna, que permite, por sua vez, ao receptor do texto de chegada activar através da integração do seu conhecimento linguístico, pragmático e interaccional os padrões associativos adequados à situação comunicativa"
Tudo isto para dizer que a tradução não é uma mera transcrição de um texto de uma língua de partida para um texto na língua de chegada. Nem na tradução literária, nem em qualquer outro tipo de tradução. Thomas Hüsgen, na conclusão do seu artigo, depois de analisar vários exemplos a partir de uma tradução alemã do livro Fanny Owen de Agustina Bessa Luís, diz não estar a fazer uma crítica, pois os exemplos eram poucos em quantidade e qualidade, afirmando antes:
Devem estes exemplos, muito mais, realçar a importância de uma formação de tradutores (e de produtores de texto em geral) que [...] assegurem, através da exigência de uma coerência intertextual e uma não menos determinante exigência de coerência intratextual, a inteligibilidade do texto de chegada.
A avaliação de uma tradução é um assunto bem complexo, existindo várias teorias. Deveria evitar-se estas afirmações simples, sem fundamentação. Como é que José Mário Silva sabe que a tradução foi feita "sem esmero"? Que "erros de palmatória"? Muito, poucos, nenhuns? Com influência ou não na integilibidade do texto? Isto para já não falarmos do conceito de tradução que o José Mário Silva partilha. Será um "cibliste" ou "sourciste" (como diria Ladmiral) ou outra coisa qualquer? Também não quero deixar de referir que não estou aqui a fazer qualquer ataque pessoal ao José Mário Silva, apeenas uma crítica: gostava de saber como ele chegou a esta conclusão.

De qualquer modo, não se pode descontextualizar que estas afirmações foram proferidas no meio, ao que parece, de uma polémica literária, que eu não partilho nem posso partilhar, pois, como se costuma dizer, "estou fora", com atribuições de segundas intenções a Jorge Melícias, que sinceramente acho difícil de acreditar...

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O sr. Melícias é um grande conhecedor da língua franca. Conhece-a quase tão bem como aquela em que se expressa. A formação do senhor terá sido coxa, não se lhe pode, pois, exigir, mais. É a prova provada de que o sucesso educativo produz alarves e malcriados. Quanto a si, peço-lhe que compare o original com a tradução e diga se aquilo é tradução ou somente ignorância.

4/15/2006 08:21:00 da tarde  
Blogger Rui Oliveira said...

Ainda não li a tradução, mas fiquei interessado em lê-la. Por isso, o mais provável é que o vá fazer mesmo. Aliás, eu até gosto muito de Baudelaire.

4/15/2006 08:39:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home